NOTICIAS

Apenas 42% das mulheres participam do mercado de trabalho



24/07/2022




Pesquisa concluiu que a desigualdade de gênero continua influenciando resultados sociais e econômicos no Brasil. 24/07/2022 16:00:026,3 mil acessos Apenas 42% das mulheres participam do mercado de trabalhoPexels A última pesquisa Pobreza e Equidade realizada pelo Banco Mundial concluiu que a desigualdade de gênero continua influenciando resultados sociais e econômicos no Brasil. Atualmente, somente 42% das mulheres participam do mercado de trabalho. O relatório atrelou os resultados, também, aos papéis sociais tradicionais de gênero que aumentaram o trabalho doméstico não remunerado das mulheres e os encargos educacionais infantis durante os bloqueios escolares. Um reflexo dessa situação é a remuneração menor que as mulheres recebem, apesar de qualificações superiores a dos homens, o que limita os benefícios do nível educacional alcançado pelas mulheres brasileiras. Retorno desigual Em 2021, a chance de mulheres perderem o trabalho foi quase o dobro em relação aos homens. Para a doutora em sociologia, Hayeska Barroso, o retorno às atividades foi mais difícil para mulheres por causa da não atuação do estado como rede de apoio à mulher. “A fragilidade do estado afeta visceralmente a condição das mulheres mais pobres. Não basta estar no mercado, não é só a carteira assinada ou a vaga garantida. A proteção envolve previdência, saúde e organização familiar”, ressaltou. Para o analista político e diretor da Royal Politics, Rócio Barreto, as mulheres sofrem e são discriminadas não só no mercado de trabalho, mas em todas as instâncias sociais. “São obrigadas a ser as chefes das famílias responsáveis pela criação dos filhos. As jornadas são maiores, seja considerando somente o trabalho fora de casa, como também a dupla jornada, pois ao chegar em casa precisam cuidar da casa, dos filhos e da alimentação. Por isso as mulheres têm maior dificuldade para conseguir trabalho comparado com os homens”, afirmou o político. Precarização da jornada A deterioração do mercado de trabalho diminuiu a renda domiciliar do trabalho no Brasil, com os 40% mais vulneráveis da população sendo os mais atingidos. Isso se deve ao cenário inflacionário que piorou a oferta de empregos, principalmente aos mais pobres. Barreto defendeu que a pobreza crônica no país está relacionada à má distribuição de renda acentuada pela pandemia de Covid-19. “Só vai reduzir a desigualdade social e só vai reduzir a fome quando houver a criação de políticas públicas que ampliem a divisão de renda. Somente com uma melhor distribuição de renda, a gente pode reduzir as desigualdades sociais no mundo e reduzir fome e estados de miséria e de pobreza”, finalizou o diretor da Royal Politics. Conbcon 2022 fonte: Portal Contábeis



MENU
LINKS UTEIS





VALMIR HENICKA, Todos os Direitos Reservados. Copyright 2022 - Desenvolvido por: NIVELDIGITAL